Boas Práticas | Como fazer a população apontar soluções para resolver um problema que afeta a todos?

A plataforma e-você, desenvolvida pela Agência Tellus, parceira técnica da Comunitas, é um projeto de inovação aberta (open innovation) colaborativo que convida a população local a participar ativamente da solução de um desafio importante que trará benefícios à própria comunidade.

 

Desafio

As prefeituras de Campinas (SP) e Teresina (PI), parceiras do Programa Juntos, foram as duas primeiras a adotarem a Plataforma e-você . O desafio nessas cidades estava relacionados à segurança e à saúde: como combater o uso de drogas e como deixar o ambiente hospitalar mais acolhedor aos usuários. Soluções A plataforma e-você, desenvolvida pela Agência Tellus (parceira técnica da Comunitas)  é um projeto de inovação aberta (open innovation) colaborativo, que convida a população local a participar ativamente da solução de um desafio importante que trará benefícios à própria comunidade.

Funciona da seguinte maneira: A prefeitura lança um desafio relacionado a um serviço público e a população apresenta propostas para sua implementação. Cada desafio lançado passa por quatro etapas. A 1ª fase é a da inspiração, em que todos contribuem com o envio de boas práticas em resposta ao desafio lançado. A 2ª é quando os participantes desenvolvem e enviam ideias e sugestões próprias; a 3ª é a votação da população, feita após a prefeitura analisar cada uma das soluções e separar as que são consideradas viáveis. A 4ª e última etapa é a execução da proposta que foi mais votada.

Em Campinas, a plataforma e-você integrou um pacote de serviços implementados pela prefeitura com o objetivo o de gerar engajamento dos cidadãos e servidores públicos no desenvolvimento e implementação de soluções inovadoras em serviços públicos de saúde, especificamente na Unidade de Pronto Atendimento do Campo Grande (PA Campo Grande).

Por meio da metodologia de Design Thinking foi possível reformular os serviços oferecidos na unidade, que é uma das regiões mais populosas de Campinas. A plataforma e-você possibilitou que desafios fossem lançados em forma de perguntas e os cidadãos interagiram sugerindo suas propostas. No estágio final as ideias propostas foram colocadas em votação e a solução mais votada recebeu o compromisso de ser implementada. A plataforma foi desenvolvida inspirada em casos de sucesso e direcionada para uma população que nunca havia tido a chance de participar em tomadas de decisão virtuais. Para garantir a eficácia da plataforma, testes de interface foram realizados com pacientes nas esperas de unidades de saúde.

O desafio lançado em Campinas, na plataforma e-você, foi: Como podemos deixar o serviço de saúde mais eficiente, confortável e acolhedor?

Foram realizadas 24 mil visitas, 87 Inspirações, 90 propostas, sendo que sete delas foram votadas.

A solução vencedora foi a padronização do uniforme para os servidores nas unidades de atendimento, com o intuito de evitar a presença de pessoas não autorizadas e suspeitas em áreas internas dos serviços de saúde municipais. A prefeitura já realizou a implementação.

 

O caso de Teresina 

Em Teresina, dados da Secretaria de Segurança Pública do Piauí, de 2013, revelaram que 65% das vítimas de homicídios da cidade eram jovens. Com o intuito de minimizar esse índice, a prefeitura lançou um projeto que tinha como objetivo promover a participação da população jovem na discussão sobre políticas públicas voltadas para a construção de uma cultura de paz na cidade.

Inicialmente formulado como um concurso de ideias inovadoras propostas por jovens, o projeto premiou e executou iniciativas de bibliotecas comunitárias, arte, cultura, educação e esporte. Entretanto, ainda faltava algum tipo de tecnologia que estimulasse uma adesão maior da juventude. E assim foi implementada a plataforma e-você.

A prefeitura convidou os jovens a apresentarem sugestões de políticas públicas focadas no combate à violência juvenil na região do Parque Lagoas do Norte, com a seguinte pergunta: Como a juventude pode contribuir para reduzir o consumo de drogas e construir uma cultura de paz?

Como resultado disso, o desafio lançado recebeu mais de 30 mil acessos, 173 propostas e cerca de 5,5 mil votos na plataforma Teresina e-você.

As 10 soluções mais votadas receberam R$ 5 mil cada para seu desenvolvimento e os jovens que propuseram as ações ganharam mil reais como incentivo. Os recursos foram disponibilizados à prefeitura de Teresina pelo Banco Mundial. Dentre as propostas ganhadoras estão a brincadeira Parkour Kids – ” Ultrapassando barreiras e ensinando cidadania “ de Franklin Alberto Fernandes Rodrigues Júnior, que devido ao sucesso se tornou parceiro da Secretaria Municipal da Juventude, fechando convênio até dezembro de 2016, e deverá atender 200 jovens. Já o Projeto Atletismo nos Bairros, proposto por Lucas de Sousa Oliveira, participou do Campeonato Piauiense Sub-20 e conquistou o primeiro lugar por equipe. Foram 23 medalhas, sendo 12 de ouro, seis de prata e cinco de bronze. A equipe também ganhou mais 45 medalhas (5 de ouro, 20 de prata e 10 de bronze) no Campeonato Piauiense Adulto de Atletismo. 

 

Resultados gerais

A plataforma e-você motiva a população a participar ativamente das discussões referentes às melhorias dos serviços públicos do bairro e do município, colocando-os no papel de protagonistas, ao propor soluções e/ou votar propostas apresentadas por outros moradores da comunidade. Também fortalece a interação entre o município e a população no desenvolvimento de soluções que serão realizadas localmente e, que, portanto, serão refletidas no dia a dia. Fortalece o papel de cidadão ao compartilhar ideias em prol de um bem comum. Aumenta a autoestima da comunidade e estimula o sentimento de pertencimento ao participar de decisões que têm como objetivo tornar o serviço público mais eficiente. Tecnologia é a ferramenta fundamental para a viabilidade da Plataforma e-você. A promoção de ações virtuais possibilita o envolvimento de mais pessoas pelo fato de a internet já pertencer ao dia a dia de milhões de pessoas.

Todo o processo é sugerido e acompanhado online, sem exigir a presença física dos envolvidos.

 

Quem foram as equipes envolvidas?

Comunitas

Prefeitura Municipal de Campinas

Prefeitura Municipal de Teresina

Agência Tellus

 

Tempo de Realização

Teresina – 6 meses (agosto de 2015 a fevereiro de 2016).

Campinas: 2 meses (agosto de 2013 e outubro de 2013).

 

Recomendações

  • Definição do público alvo para o desafio.
  • Definição de prazos reais, evitar prorrogações.
  • Ter um desafio alinhado com as necessidades da cidade.
  • Projetos selecionados pelo comitê da prefeitura, que serão colocados em votação, têm que ter critérios claros.

Design Thinking | Construindo serviços centrados nos cidadãos

As cocriações dos serviços na área da saúde tiveram como base, a abordagem conhecida como Design Thinking.

Por meio de workshops foram aplicadas uma série de ferramentas de design de serviços que ajudaram a definir prioridades e fluxos dos processos de gestão das unidades

Nesse sentido, é importante entender que as ferramentas que o design nos apresenta são o caminho, ou seja, o “como o projeto de cocriação foi colocado em prática”. No entanto, além das ferramentas que apresentaremos, existem muitas outras ferramentas disponíveis que podem ser testadas por servidores públicos. A escolha dessas ferramentas de design está relacionada ao que você precisa saber, ao momento do projeto, tempo disponível e, claro, quais são as pessoas envolvidas.

 

O que é Design Thinking?

O Design Thinking ajuda gestores e servidores de qualquer âmbito (público e privado) a analisarem e resolverem problemas a partir de uma metodologia criativa que viabiliza a criação de diferentes soluções. Esta metodologia tem sido amplamente utilizada em diversos segmentos do mercado para auxiliar gestores a atingirem melhores resultados com base em distintos pontos de vista.

No setor público, sua aplicação tem se mostrado frutífera em decorrência da constante necessidade de inovação na prestação de serviços para a sociedade civil. Fatores impeditivos para a simplificação de projetos do setor público, tais quais excessiva burocracia de processos, restrições orçamentárias e inovação de serviços podem ser driblados a partir da cocriação de soluções coletivas propostas por esta metodologia.

O Design Thinking trata-se de uma abordagem focada no ser humano, que busca promover a inovação a partir da reflexão sobre obstáculos complexos, sendo executado em sete fases essenciais. A abordagem é também chamada de “duplo diamante” por possuir duas fases divergentes e duas fases convergentes, divididas nessas sete etapas.

Como nos mostra o kit elaborado pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), os valores da metodologia são empatia, colaboração e experimentação. O Design Thinking permite ampliar a empatia em relação ao cidadão por meio de um processo de ideação e seleção de ideias, ferramentas para testar as soluções, além de sugestões de como mapear os pontos chaves para implantação de um novo serviço.

 

1

 

“O Design Thinking é o equilíbrio entre negócio e arte, estrutura e caos, intuição e lógica, conceito e execução, ludicidade e formalidade, controle e empoderamento.” (Design Thinking for Strategic Innovation, Idris Mootee)

O design entende que ao pensar um problema a ser resolvido, uma pessoa, ou no caso que tratamos aqui, um líder público, muito provavelmente tem uma visão única sobre ele. Ao multiplicarmos os olhares sobre o mesmo desafio, teremos diferentes perspectivas, chegando, assim, mais próximo do que o problema representa na realidade.

Como foi mencionada acima, o Design Thinking como abordagem é iterativo e flexível. Desse modo, os erros ao longo do processo são parte da trajetória. O processo funciona como um sistema de sobreposição de macroetapas, em vez de uma sequência de etapas ordenadas. Existem três macroetapas principais para manter em mente: inspiração, ideação e implementação.

 

Aspectos relevantes

Segundo a revista de Inovação Social da Universidade de Stanford, o design thinking incorpora insights dos usuários analisados em profundidade em protótipos rápidos, visando superar os pressupostos que bloqueiam soluções eficazes.

Abaixo, enumeramos alguns aspectos relevantes da aplicação do design thinking a um projeto:

 

2

 

Engajamento Cidadão em Teresina | Washington Bonfim - Secretário de Planejamento de Teresina (em inglês)

Neste vídeo Washington Bonfim fala sobre a experiência de Teresina com o engajamento cívico. 

Confira! 

1