Voltar
Desafio

Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE)

Você já ouviu falar da APAE?

O movimento apeano é de caráter comunitário, não sendo caracterizada como órgão público, mas sim como organização social. Embora não seja a única instituição voltada para à pessoa com deficiência no Brasil, este é, hoje, visto como o principal movimento de caráter nacional na promoção e defesa dos direitos da pessoa com deficiência.¹

Historicamente, a Educação Especial no Brasil iniciou-se através da Sociedade Pestalozzi, em Belo Horizonte, no ano de 1930. Esta iniciativa deu o pontapé inicial para que outras despontassem no Brasil nos anos que viriam a seguir.

Em 1954 Beatrice Bemis, membro do corpo diplomático dos Estados Unidos, chega ao Brasil com uma filha com Síndrome de Down. Sem encontrar nenhuma entidade de acolhimento para sua filha, tomou a iniciativa de criar a APAE no Rio de Janeiro em 1955. Para que a iniciativa tomasse forma, Beatrice contou com o auxílio de pais, amigos e médicos de pessoas com deficiência – e é daí que vem o nome da instituição. 

A Sociedade Pestalozzi foi um importante aliado para a APAE, uma vez que cedeu apoio deu espaço para que as duas primeiras turmas da instituição fossem formadas naquele ano.

Na época qual a APAE foi fundada, pessoas com deficiência múltipla e intelectual eram estereotipadas como discrepantes das demais. Desta forma, os ensinos públicos e privado usualmente excluíam pessoas com deficiência, causando ainda maior afastamento social destes indivíduos.

A proposta apaeana foi sendo ampliada para outras capitais do país e, posteriormente, para cidades do interior dos estados do Brasil. O movimento cresceu com tal intensidade que foi necessário a criação de um órgão que articulasse suas ideias em um nível nacional, a Federação Nacional das APAEs (FENAPAE). Atualmente, existem 2.178 APAEs no território nacional.

 

2
Imagem: APAE.

 

Estas unidades contam com mais de 250 mil atendimentos às pessoas com deficiência, respeitando a diversidade cultural, social e política de quem acessa seus serviços. Segundo informações institucionais, entre suas grandes conquistas está a implementação do Teste do Pezinho no Sistema Único de Saúde. 

Em um caráter nacional, a região Sudeste conta com o maior número de unidades, sendo seguida pelas regiões Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte, respectivamente. É interessante observar que o estado que mais possui unidades da APAE é Minas Gerais (425), enquanto o estado que possui menos unidades é o Alagoas (2).   

A necessidade de instituições como a APAE pode ser dada pela constante exclusão escolar de pessoas com deficiência, sendo esta geralmente ocasionada pela falta de instrução de práticas educacionais. Ao acolher pessoas com deficiência, a instituição é capaz de dar a atenção individualizada necessária ao PCD que geralmente não é prevista pelos métodos da educação regular. 

Além disso, a APAE também se faz essencial por articular ações que defendem, potencialmente, os direitos das pessoas com deficiência, desafiando as políticas públicas educacionais do país. Hoje a APAE é essencial para a escolarização e formação de pessoas com deficiência, acolhendo e valorizando estes indivíduos de forma distinta.

 

Voltar