Voltar
Desafio

As Religiões do Brasil | O panorama religioso do país

Dados do Anuário Pontifício de 2017, pesquisa do Vaticano, apontam o seguinte resultado: o Brasil é hoje o país com maior número de católicos ao redor do mundo. O número estimado pelo estudo aponta que o país possui cerca de 172,2 milhões de católicos no país, representando 26,7% do total de católicos do continente americano.

Atrás do Brasil estão México (110,9 milhões), Filipinas (83,6 milhões), Estados Unidos da América (72,3), Itália (58,0 ), França (48,3), Colômbia (45,3), Espanha (43,3), República Democrática do Congo (43,2) e Argentina (40,8). A mesma pesquisa aponta que 17,7% da população mundial foi batizada como católica.

Apesar dos dados vigentes apresentarem o Brasil como um país majoritariamente católico, levantamentos atuais apontam uma redução expressiva dos números de fiéis católicos e um constante aumento de evangélicos dentro do país. Os motivos que levam a religião católica a sofrer expressiva evasão de fiéis são diversos e apontam um fator muito significativo: a população brasileira reflete o multiculturalismo do país.

Para se ter uma ideia do quanto o cenário religioso do Brasil modifica-se rapidamente, a cada dez anos o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) realiza o censo da distribuição percentual da população brasileira de acordo com sua religião. A diferença dos resultados das amostras entre 2000 e 2010 indicam os seguintes resultados:

 

1

Fonte: IBGE, 2010.

 

É necessário frisar que nos últimos sete anos o número aumenta ainda mais: pesquisas de 2017 levantadas pelo Instituto Datafolha indicam que o número de fiéis evangélicos no Brasil gira atualmente em 29% da população – sete pontos percentuais a mais do que o Censo 2010 (IBGE) registrou.

Apesar de não existirem, por ora, levantamentos oficiais que apontem os recorrentes dados a respeito da situação religiosa atual do Brasil, pesquisas paralelas sugerem que o atual perfil religioso do brasileiro é flexível: 44% dos questionados seguiam simultaneamente mais de uma religião e 49% não eram adeptos à religião de nascença. Nesta pesquisa, apenas 10% dos entrevistados disseram considerar seus votos políticos a partir de preceitos condizentes à religião.

 

1

Fonte: O Globo,2017.

 

No ângulo de crenças e convicções, crenças místicas mostraram-se naturalizadas dentro do país: quase 51% dos entrevistados alegaram já ter sentido a presença de alguém que morreu, enquanto 41% alegaram ter tido contato visual com alguém que já havia morrido. Cerca de 50% dos entrevistados acreditam em reencarnação e 30% alegaram já ter escutado uma manifestação auditiva de alguma pessoa já morta. Entre as demais crenças questionadas há a aceitação da astrologia, a existência de extraterrestres e a convicção de que existam, de fato, impulsos intuitivos que auxiliem o ser humano a compreender seu futuro.

 

3

Fonte: O Globo, 2017.

 

A mesma pesquisa não-oficial que apontou a apreciação da população brasileira a crenças espirituais indica que crenças como o espiritismo kardecista e práticas espiritualistas (como umbanda, candomblé e semelhantes) obtiveram um expressivo aumento no número de adeptos nos últimos sete anos. Paralelamente, práticas católicas e protestantes tiveram decréscimo em seu número de adeptos, assim como o número de pessoas que se declaravam sem religião.

 

3

Fonte: O Globo, 2017.

 

Por fim, é possível dizer que esta dessemelhante combinação de religiões presentes dentro de um mesmo país é resultado do pluriculturalismo e miscigenação de etnias, percepções religiosas e contextos históricos qual o Brasil é fundamentalmente reconhecido. A pluralidade religiosa brasileira representa as diversas facetas culturais que formulam toda uma nação marcada pela diversidade.  

 

Voltar