Voltar
Desafio

O Planejamento e a Tecnologia na Gestão Publica

Um dos grandes desafios da gestão pública em todo o mundo é a construção de uma sociedade que tenha condições de criar, utilizar e acessar informação e conhecimento de uma forma rápida e eficiente. Para isso, toda uma estrutura de tecnologia da informação deve ser planejada e implementada de maneira bem estruturada. O mundo contemporâneo exige muito dos governos; a cobrança por maior eficiência dos processos, ampliação da transparência e maior efetividade das políticas públicas.

O termo planejar significa preparar-se para agir, podendo também ser caracterizado como uma ação, mas com o propósito de agir de forma mais efetiva. O planejamento reduz as incertezas inerentes ao futuro, decidindo de forma antecipada sobre situações que irão ocorrer. As técnicas de planejamento são utilizadas para analisar o cenário atual, definir objetivos e metas, elaborar estratégias de ação e delinear iniciativas para alcançar os objetivos. Em um nível mais avançado, podem ser estudados possíveis cenários futuros e predefinir estratégias para lidar com esses cenários. O planejamento provê condições de maior segurança e menor margem de erros. É o planejamento que define ações, projetos, procedimentos, metas e objetivos, transformando mudar uma situação atual ou empreender uma possibilidade futura.

Existem diversas tipologias e classificações para descrever as tecnologias da informação, destacando as caraterísticas mais relevantes e as fases de políticas públicas que a TI se encontram. Além disso, existem alguns blocos em que as tecnologias da informação podem ser classificadas, que são:

  1. tecnologia de banco de dados;
  2. tecnologia de suporte à decisão;
  3. tecnologias de comunicação e trabalho em grupo;
  4. tecnologias de rastreamento e identificação pessoal;
  5. tecnologias de automação de escritório;
  6. tecnologias multimídia.

Isso não significa que as soluções e projetos não utilizem um tipo de tecnologia apenas por vez. Basicamente, estas são as definições de cada um desses blocos de tecnologia:

• Tecnologia de banco de dados: são os sistemas que acumulam dados sobre entidades e a população, gerenciam as informações ou controlam e monitoram o desempenho dos recursos (financeiros, humanos e materiais);

• Tecnologia de suporte à decisão: auxiliam o processo de formulação de decisões, sejam elas simples ou complexas;

• Tecnologias de comunicação e trabalho em grupo: são responsáveis pela troca de informações, ou seja, transferência e compartilhamento de arquivos, recebimento de mensagens, serviços de mensagens, videoconferências, etc.

• Tecnologia de rastreamento e identificação pessoal: é uma tecnologia, por meio de smartcards e outros mecanismos de identificação, rastreia indivíduos, veículos e cargas, assim como movimentações financeiras, por exemplo o Imposto de Renda.

• Automação de escritório e tecnologias multimídia: contribuem para o aperfeiçoamento de processos no âmbito da administração pública mediante a disponibilização de recursos capazes de permitir a revisão e melhoria de determinadas etapas do processo de execução.

A exemplo do Brasil, é possível dizer que para se compreender o cenário atual da administração pública e o nível de maturidade em utilização de ferramentas de tecnologia da informação, conceitos como governança e accountability  ganham importância. O processo de redemocratização, estimulado pela Constituição Federal de 1988, a melhoria da governança pública instigou o aumento da pressão da sociedade por maior transparência e qualidade dos serviços prestados aos cidadãos. Diversas medidas foram tomadas durante os anos de 1990, mas foi ao partir dos anos 2000 é que o governo brasileiro adotou várias medidas legais e institucionais para a promoção da transparência e disseminar melhores práticas de gestão pública aceitos internacionalmente.

A tecnologia da informação ganhou espaço permitindo ganhos de eficácia, responsividade, transparência e governança, além de permitir novas formas de participação social. Outra iniciativa foi a participação brasileira na Parceria de Governo Aberto (OGP - Open Government Partnership) que é uma iniciativa internacional que pretende difundir e incentivar globalmente práticas governamentais relacionadas à transparência dos governos, ao acesso à informação pública e à participação social .

O planejamento de TI constitui um processo de gestão norteador para a execução das ações e automatização da organização. O planejamento da tecnologia da informação também pode ser entendido como um processo gerencial administrativo, de identificação e organização de equipes, aplicações e ferramentas baseadas em Tecnologia da Informação (recursos de TI) necessários para apoiar a instituição na execução de seu plano de negócios e no cumprimento de seus objetivos institucionais. Deve-se identificar as oportunidades de soluções tecnológicas para aprimorar os interesses da organização, definir planos de ação de curto, médio e longo prazo e identificar as arquiteturas de dados e de infraestrutura que melhor atendam às suas necessidades, determinando com qualidade o que e quanto se precisa adquirir e fazer, e para quê. O Planejamento de TI deve ser materializado em um documento escrito, publicado e divulgado no âmbito da organização, abrangendo ambientes interno e externo, relativamente à área de TI. Deve ser elaborado com a participação das diversas unidades da área de TI e áreas finalísticas. O documento deve ser acompanhado e avaliado periodicamente.

As mudanças no modo de gerir o aspecto pública podem levar uma utilização em escala crescente de recursos tecnológicos. Estas mudanças propiciam a liberdade de escolha em relação à estrutura e modo de atuação das organizações, muitas vezes ampliando a capacidade de as organizações prestarem os serviços. A conectividade possibilita que o trabalho das instituições públicas ao uso de ferramentas de trabalho em grupo e da integração de sistemas presentes nas entidades a partir de redes.

Nesse sentido, ao se definir e planejar as ações de Tecnologia de Informação apoia a realização de uma gestão efetiva de recursos. A melhor utilização possível dos investimentos e o apropriado gerenciamento dos recursos críticos de TI: aplicativos, informações, infraestrutura e pessoas. Toda estratégia definida deve ser documentada, considerando os ambientes interno e externo, as áreas meio e fins. Estas ações têm como objetivo que a TI aliada aos governos contribuam para o aprimoramento dos serviços públicos, atingindo níveis elevados de desenvolvimento humano, de modo a estabelecer uma democracia sólida e igualitária.

No próximo tópico será apresentado uma iniciativa implementada no Governo Federal chamado Plano Diretor de Tecnologia da Informação.

O PDTI apresenta um roteiro com ferramentas que possibilitam um planejamento de longo prazo e bem definido. Nos tópicos seguintes serão discutidas e apresentadas diversas ferramentas gerenciais que podem apoiar o mapeamento e construção de um planejamento de TI, assim como possibilidades de controle e captura de resultados. Somente com um bom planejamento e controle os investimentos e qualificação em ações para tecnologia da informação serão implementados eficientemente.

 

Governança na Era Digital (Digital Era Governance)

O modelo propõe tornar a burocracia tradicional mais profissional, eficiente e próxima do cidadão. Ele se baseia na incorporação crescente de inovações de Tecnologia da Informação e comunicação para regular os relacionamentos entre unidades administrativas públicas e a sociedade civil. A partir dos princípios de reintegração, sistema baseado na necessidade (joined-up governance) e nas mudanças digitais, a Governança na Era Digital defende ser possível formar um governo mais ágil e responsivo.

Este modelo existe no Brasil há alguns anos. O Governo Federal possui uma estratégia para incorporar este tipo de governança, chamado de EGD (Estratégia de Governança Digital). A proposta tem como objetivo criar um novo paradigma na gestão pública com a exploração e potencialização de sinergias que promovam maior eficácia, eficiência, efetividade e economicidade do Estado Brasileiro. Mais informações aqui.

Voltar