Voltar

As macroetapas do Design Thinking

A inspiração é a fase em que o problema ou a oportunidade que motiva a busca de soluções é explorada; ideação pode ser entendido como o processo de gerar, desenvolver e testar ideias; e implementação como o caminho que leva da fase do projeto para a vida das pessoas.  Essas macroetapas podem ser subdivididas nos momentos alternados de divergência e convergência de pensamento, baseados no processo de inovação conhecido como diamante duplo, que foi mapeado e sistematizado pelo Design Council do Reino Unido em 2005.

Em termos gerais, o Design Thinking possui cinco grandes etapas a serem cumpridas a fim de resolver um problema. Apesar de não terem uma ordem cronológica pré-definida, há recomendações acerca da linearidade do processo. As etapas podem ser observadas a partir do esquema abaixo:

 

2

 

1. Etapa da empatia (ou entendimento)

Esta primeira etapa visa obter uma visão ampla sobre o público atingido pelo problema. Nesta fase conhecemos as necessidades e reivindicações da população local. Ao praticar a empatia, compreendemos profundamente as adversidades enfrentadas pelo público alvo. Esta etapa é importante à medida em que é por consequência dela que nos tornamos capazes de enxergar soluções viáveis para problemas existentes.

 

2. Etapa da definição (ou observação)

Todo projeto que aplica o design thinking tem como um dos passos iniciais a definição de um desafio. A partir de um problema escolhido, chega-se ao escopo do projeto em formato de um desafio. Esta respectiva etapa observa todas as necessidades do público alvo e delimita o problema a ser trabalhado. O desafio envolto nesta etapa é de identificar, de forma bastante clara, qual é a composição do problema em um cenário total. Para isso, recomenda-se que seja definido o público alvo e qual é o ponto de vista concordante sobre o problema enfrentado entre a maioria dos atingidos.  

 

3. Etapa da ideação (ou idealização)

Nesta etapa, o objetivo maior é encontrar soluções. Partindo da premissa de que não existe uma solução ideal, a consistência desta etapa é de usar a criatividade e cocriar o maior número de soluções possíveis em distintos cenários e possibilidades. Para esta etapa, é recomendado que se crie uma dinâmica organizada e previamente planejada, evitando que esta dinâmica prorrogue-se por mais tempo do que o necessário.


4. Etapa da prototipagem

Esta etapa visa transformar as ideias propostas na etapa anterior em prática. A ideia de transformar em prática pode ser traduzida em qualquer protótipo que propulsione interação do público alvo. É importante frisar que mesmo sem saber por onde começar, o importante é dar o pontapé inicial para criar o protótipo – é altamente possível que os pontos ideais surjam durante o processo de criação.


5. Etapa da iteração

A última fase trata-se da fase dos testes, na qual apresenta-se os protótipos criados na etapa de prototipagem. Ao realizar esta etapa, busca-se sempre buscar o feedback do público alvo, a fim de refinar as melhores práticas para resolver o problema dos usuários. A partir da percepção do público, torna-se possível ajustar as soluções de acordo com as reivindicações do público.

Não é de surpreender que o design thinking possa parecer caótico para quem o faz pela primeira vez. Mas, ao longo da vida de um projeto, os participantes percebem que o processo faz sentido e alcança resultados, mesmo que sua forma seja diferente dos processos lineares e baseados em marcos que as organizações normalmente empreendem.

Voltar